The Kid’s no Good – Sobre o álbum

(Entenda o álbum e O PONTO DE VISTA DE BARRY GIBB)

Barry começou a gravar seu álbum solo com quatro músicas, incluindo ”VICTIM”. O pessoal de gravação até então não era conhecido, exceto Barry em peso de seus backing vocals, violão, e Bill Shepherd com o manuseamento do acompanhamento orquestral.

Barry rapidamente gravou mais cinco músicas apenas alguns dias depois. “Mando Bay”, ”Born” e “Peace in My Mind” mostram que Barry não tinha perdido seu dom para escrever canções pop plenamente produzidas em muitos estilos diferentes, organizadas com o seu violão Open D. Orquestras, flautas e muitíssimos arranjos, respectivamente. Infelizmente, nada disso foi lançado.

O primeiro single de Barry foi seguido um mês depois de Maurice, mas não foi emitido nos Estados Unidos. ”I’ll kiss your memory” foi um golpe de inspiração aos moldes de Bobby Goldsboro do hit single, “Honey”, um viúvo recordando seus dias mais felizes. Como uma canção simples, com verso e refrão de essencialmente a mesma melodia, é decepcionante tanto liricamente e musicalmente, de um homem considerado o principal compositor dos Bee Gees, ”não é a mesma orquestra como costumávamos usar com The Bee Gees”, explicou Barry. ”Mas Bill Shepherd é o único arranjador que eu sempre irei trabalhar. No single eu dublei minha voz sete vezes, porque eu sabia exatamente onde queria chegar. Agora eu quero fazer uma marca na minha história, antes de eu me envolver em qualquer outra coisa. Eu não acho que minhas associações passadas com Bee Gees são uma coisa ruim, tão pouco afeta meus esforços a solo, pois as pessoas já me conhecem. E também neste negócio, é saber estar com quem se conhece! ”This Time” no lado B foi um pouco mais esperançoso, outra balada estilo country, assim como muitas das canções consideradas para o álbum. ”Eu amo a música country e eu provavelmente permiti um pouco mais do que eu deveria para me influenciar”, Barry admitiu, ”Mas eu faço música que gosto e espero que todos apreciem. Se você tentar trabalhar para o que todo mundo quer, tentando agradar um a um, eu acho que você se perde. Eu acho que você tem que estar apaixonado com o que você fez e depois ver o que acontece. Isso é o que ajuda pelo menos para mim ”.

Um segundo single de Barry, “The Day Your Eyes Meet Mine” / “One Bad Thing”, chegou muito perto de ser lançado por volta de agosto de 1970. Barry cantou ao vivo a última canção na televisão alemã, e nos Estados Unidos um lote inicial do single pela Atco foram prensados, mas destruídos. Felizmente, se podemos dizer, pelo menos uma cópia escapou ilesa, e foi oferecida em leilão durante os anos 80.

O álbum de Barry teria sido finalizado em Agosto, mas nenhuma seleção das canções definitivas ou sequência é conhecida.

O título ”The Kid’s no Good” foi alvo de rumores, mas nenhuma canção com esse nome é conhecida.

A canção “Victim”, soa como se tivesse sido escrita por Gene Pitney, talvez inspirada por ”Something’s Got” a “Hold Of My Heart” como a entrega vocal de Barry é praticamente idêntica ao do cantor americano em várias partes da canção.

A reação dos fãs sobre as faixas é geralmente morna. Algo parecia estar faltando. Muitas dessas canções foram, pelo menos, publicadas, e a maioria foi gravada por outros artistas, mas nenhuma foi hit. Embora todos conectados com Barry (incluindo ele próprio) descrevem que ele se encontrava muito recluso nessa época, ele continuou a atender a demanda . Ele apareceu no Panel of Judges e cantou para o concurso ”Miss Teen Princess Of The World” na Alemanha.

”Eu não tenho estado no palco durante pelo menos um ano e três meses…”. Barry disse, ”e eu realmente sinto falta das pessoas, vendo esse público em frente a mim. Sabe, sem aquela multidão, eu me sinto sozinho. Mas eu sei pessoal, sei que eu vou voltar a fazer trabalhos em palco, mas se a hora chegou num momento em que eu não possa,então eu tomarei vinte comprimidos para dormir! Acredite em mim, eu sei o quanto, que não se pode sair no palco quando eles precisam…sentir. ”

Ele deu uma entrevista exclusiva para a revista Go-Set em que revelou que cerca de 16 meses após a separação inicial, ele ainda não estava pronto para fazer a paz com seus irmãos, ” Independentemente do que a publicidade diga no futuro sobre Os Bee Gees, eu posso assegurar-vos que eu vou manter a minha carreira solo, independentemente do que Robin e Maurice fizerem”, insistiu. ” Eu ainda não tenho o grande ”HIT” como artista solo. Fiquei desapontado que “Million Years” de Robin e ”Railroad” de Maurice não alcançaram as paradas na Inglaterra, mas talvez ambas se parecessem demais com o ”velho” som dos Bee Gees. Eu até acho que caí na mesma armadilha. Há tantos discos lançados, e é tão difícil de obter um single fora da terra (Austrália) por causa do airplay limitado. ”

Ele acrescentou: ”desde que me lembro, eu tenho escrito músicas com Maurice e Robin, e tem sido difícil nos últimos anos escrevendo músicas sem a ajuda da equipe GIBB”.

 

(Carl)

 

The Kid’s no Good – Sobre o álbum

About The Author
-

Deixe uma resposta